Voltar ao Topo
Drogas

Efeitos da Cannabis (THC)

Como qualquer outra droga, os efeitos da cannabis, popularmente chamada de maconha, vão depender da quantidade usada, da combinação com o uso de outras drogas e com outros fatores relacionados ao ambiente, ao estado emocional do usuário e às suas expectativas. Algumas pessoas, ao usarem maconha, sentem-se relaxadas, falam bastante, riem à toa. Outras sentem-se ansiosas, amedrontadas e confusas. A mesma pessoa pode, de um uso
para outro, experimentar efeitos diferentes.

Em doses pequenas, a maconha distorce os sentidos e a percepção. As pessoas podem relatar que as músicas ficam mais bonitas, as cores mais vivas, o cheiro, o gosto e o tato mais aguçados. A percepção de tempo e distância também fica alterada e a consciência corporal aumentada. Todas essas sensações podem ser prazerosas para algumas pessoas e desagradáveis para outras.

Em altas doses, a possibilidade de experimentar sensações desagradáveis aumenta, podendo gerar confusão mental, paranoia (sensação de estar sendo perseguido), pânico e agitação. Podem também ocorrer alucinações e delírios.

THC

O princípio ativo da maconha, o THC, causa efeitos em diversas regiões do cérebro. Imagem: NIDA.


O ingrediente ativo na cannabis, THC, permanece depositado no corpo por semanas ou mais. Já se sabe que o uso continuado interfere na capacidade de aprendizagem e memorização e pode induzir a um estado de desmotivação, isto é, não sentir vontade de fazer mais nada, pois tudo fica sem graça e sem importância. Esse efeito crônico da maconha é chamado de síndrome amotivacional. Além disso, a maconha pode levar algumas pessoas a um estado de dependência, isto é, elas passam a organizar sua vida de maneira a facilitar o uso da droga, e tudo o mais perde seu real valor.

Outro fator muito importante sobre os efeitos psíquicos produzidos pela maconha: existem provas científicas de que se o indivíduo tem uma doença psíquica qualquer, mas que ainda não está evidente (a pessoa consegue “se controlar”) ou a doença já apareceu, mas está controlada com medicamentos adequados, a maconha piora o quadro. Ou faz surgir a doença, isto é, a pessoa não consegue mais “se controlar”, ou neutraliza o efeito do medicamento e ela passa a apresentar novamente os sintomas da enfermidade.

Efeitos da Maconha no Corpo

Com relação aos efeitos físicos, a curto prazo são eles: falta de coordenação motora, sonolência, os olhos ficam meio avermelhados (hiperemia), a boca fica seca (xerostomia) e o coração dispara, de 60 a 80 batimentos por minuto pode chegar a 120 a 140 ou até mesmo mais (taquicardia).

Os efeitos físicos crônicos (a longo prazo) da maconha já são de maior gravidade. De fato, com o uso continuado, vários órgãos do corpo são afetados. Os pulmões são um exemplo disso. A fumaça inalada provoca uma irritação constante que leva a problemas respiratórios (bronquites), aliás, como ocorre também com o cigarro comum. No entanto, a fumaça da maconha contém alto teor de alcatrão (maior até que na do cigarro comum) e nele existe uma substância chamada benzopireno, conhecido agente cancerígeno; ainda não está provado cientificamente que o fumante crônico de maconha está sujeito a adquirir câncer dos pulmões com maior facilidade, mas os indícios, em animais de laboratório, de que pode ser assim são cada vez mais fortes.

Outro efeito físico adverso (indesejável) do uso crônico da maconha refere-se à testosterona. Esse é o hormônio masculino que, como tal, confere ao homem maior quantidade de músculos, voz mais grossa, barba, e também é responsável pela fabricação de espermatozoides pelos testículos. Já existem muitas provas de que a maconha diminui em até 50 a 60% a quantidade de testosterona. Consequentemente, o homem apresenta um número bem reduzido de espermatozoides no seu sêmen (em medicina, essa diminuição chama-se oligospermia), o que pode levar à infertilidade. Assim, o homem terá mais dificuldade de gerar filhos. Esse é um efeito que desaparece quando a pessoa deixa de fumar a planta. Também é importante dizer que o homem não fica impotente ou perde o desejo sexual, mas apresenta esterilidade, isto é, fica incapacitado de engravidar sua companheira. Em relação às mulheres, o abuso de maconha pode causar transtornos no ciclo menstrual.

Esses efeitos na reprodução humana acontecem porque a maconha é uma das drogas que causam uma divisão anormal das células, o que pode levar a graves defeitos hereditários. Nos últimos anos, muitos filhos de usuários/usuárias de maconha nasceram com capacidade mental reduzida e problemas de concentração que os atrapalham a perseguir objetivos na vida.

Fontes: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, CEBRID e Fundação Para um Mundo sem Drogas

Compartilhe

Deixe o seu comentário