Voltar ao Topo
Doenças

Vídeo Sobre a Hanseníase

Transcrição do Vídeo
Historicamente conhecida pelo nome de lepra, a hanseníase é uma das mais antigas doenças que atingem o ser humano. Documentos escritos indicam que a doença teve origem na Índia e China, consideradas os berços da lepra. Múmias descobertas no Egito já mostravam o que seriam os primeiros sinais da doença.

A lepra sempre foi associada a impureza, castigo divino e deformidades, isso tudo agravado por preconceitos. Hoje, o termo “lepra”, no Brasil, foi substituído por “hanseníase”. Esta doença é causada pelo bacilo de Hansen, que atinge pele e nervos. Observa-se o agente causador da hanseníase pela microscopia eletrônica de varredura.

A transmissão habitual da hanseníase é pela via aérea superior e, na maioria das vezes, precisa de contato prolongado para ocorrer a contaminação. Após a transmissão, o bacilo penetra na corrente sanguínea até chegar na pele, onde ataca os nervos. Durante a etapa inicial, a doença pode determinar o surgimento de mancha clara na pele. Ao acometer os nervos, ela poderá determinar dormência na pele e quando lesa a inervação do folículo piloso ocorre a queda dos pelos. O comprometimento dos nervos das glândulas sudoríparas determina a redução do suor, deixando a pele nesse local mais seca.

Um fator decisivo é a resistência imunológica individual, que determinará a forma clínica da doença. Existem formas com poucos bacilos e lesões localizadas, mas também formas mais graves com lesões disseminadas e muitos bacilos. Essa classificação é importante pois definirá o tratamento a ser utilizado.

Hoje, há cura para a hanseníase e é importante fazer um diagnóstico precoce. O tratamento precoce da hanseníase permite que as lesões regridam e evita sequelas. O tratamento é gratuito e já nas primeiras doses elimina a possibilidade de transmissão a outras pessoas.

“Hanseníase – Projeto Homem Virtual”. Disciplina de Telemedicina da FMUSP/USP. Usado com permissão. Todos os direitos reservados.

Compartilhe