História do LSD

Albert Hofmann, um químico que trabalhava para a empresa farmacêutica Sandoz, sintetizou o LSD pela primeira vez na Basileia, Suíça, enquanto procurava um fortificante para o sangue. No entanto, os seus efeitos alucinógenos eram desconhecidos até 1943 quando Hofmann acidentalmente consumiu um pouco de LSD. Descobriu-se mais tarde que uma dose oral de 25 microgramas (equivalente a alguns grãos de sal) é capaz de produzir vívidas alucinações.

albert hofmann

Albert Hofmann defendia o uso do LSD (“seu filho problemático”) para fins medicinais. Foto: Novartis via NY Times.


Por causa da sua semelhança com uma substância química presente no cérebro e da sua semelhança em efeitos com certos aspectos da psicose, o LSD foi usado em experiências psiquiátricas durante os anos 40, 50 e 60 do século passado. Embora os pesquisadores não tenham descoberto qualquer uso médico para a droga, as amostras grátis disponibilizadas pela Sandoz para experiências foram amplamente distribuídas e consumidas.

O LSD foi popularizado nos anos 60 por indivíduos como Timothy Leary, o qual encorajou os estudantes americanos a “se drogar e se desligar”. Isso criou uma cultura do consumo de drogas e espalhou a droga dos EUA ao Reino Unido e ao restante da Europa. Ainda hoje, o consumo de LSD no Reino Unido é significativamente mais elevado do que em outras partes do mundo.

Enquanto a cultura dos anos 60 usou a droga para escapar dos problemas sociais, as agências secretas e os militares dos governos ocidentais viram-na como uma arma química em potencial. Os pesquisadores dos EUA notaram que o LSD “é capaz de confundir grupos inteiros de pessoas, incluindo forças militares, interferindo no planejamento e raciocínio, e até criando apreensão, confusão incontrolável e terror”.

Experiências com o possível uso de LSD para mudar as personalidades dos alvos dos serviços secretos – e para o controle de populações inteiras – continuaram até que os Estados Unidos baniram oficialmente a droga em 1967.


Desde os anos de 1990 o LSD tem sido amplamente usado em boates e festas raves por adolescentes e jovens.

Fonte: Fundação Para Um Mundo Sem Drogas

Marcações: