Vasectomia Aumenta o Risco de Câncer de Próstata

Os pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard descobriram, através do maior e mais abrangente estudo nesta área, que a vasectomia está associada a um pequeno aumento no risco de câncer de próstata, e a um aumento maior no risco de câncer de próstata avançado ou letal.

O câncer de próstata é o que mais mata homens nos Estados Unidos, onde a vasectomia é uma forma comum de método anticoncepcional – cerca de 15% dos americanos são vasectomizados.

vasectomia

16 em cada 1.000 homens que participaram do estudo desenvolveram o câncer de próstata letal. Foto: Jyn Meyer / Free Images.

O estudo foi publicado no Journal of Clinical Oncology, onde os pesquisadores ressaltaram que a relação ainda era evidente entre homens que tinham testes de PSA regulares, o que sugere que a relação entre vasectomia e aumento no risco de câncer de próstata avançado não se deve a viés de diagnóstico.

A coautora do estudo, Lorelei Mucci, professora associada de epidemiologia na Escola de Saúde Pública de Harvard (HSPH), afirma:

“Este estudo dá seguimento à nossa publicação inicial sobre vasectomia e câncer de próstata de 1993, com o acréscimo de 19 anos de acompanhamento e com o número de casos estudados 10 vezes maior. Os resultados sustentam a hipótese de que a vasectomia está associada a um risco aumentado de câncer de próstata avançado ou letal.”

No estudo, a professora Mucci e seus colegas analisaram os dados de 49.405 americanos que foram acompanhados de 1986 a 2010 como participantes do Estudo de Acompanhamento dos Profissionais de Saúde (HPFS). Os homens tinham entre 40 e 75 anos de idade no início do período de 24 anos de acompanhamento.

Durante esse tempo, 6.023 homens foram diagnosticados com câncer de próstata, incluindo 811 que faleceram da doença. 25% dos participantes disseram ter feito vasectomia.

Ao analisar os dados, a equipe de pesquisadores descobriu um risco aumentado total de 10% de câncer de próstata naqueles homens que tinham feito vasectomia.

No entanto, em análises posteriores foi constatado que a vasectomia estava ligada a um risco ainda maior nas formas mais agressivas de câncer de próstata: risco 19% mais alto para câncer avançado e risco 20% mais alto para a forma letal.

Além disso, para o subgrupo de homens que faziam o teste de PSA regularmente, o risco aumentado foi de 56%.

Não houve relação significativa entre vasectomia e estágios iniciais de câncer de próstata.

Esse tipo de estudo já levantou dúvidas de que os resultados pudessem ser enviesados, porém os pesquisadores afirmam que levaram em consideração diversas informações para que pudessem descartar possíveis vieses. Por exemplo, um possível viés se encontra no fato de que os homens vasectomizados têm mais probabilidade de buscar atendimento médico ou realizar mais testes de PSA. Os pesquisadores também descartaram o viés da possibilidade de doenças sexualmente transmissíveis.

Leia também:
Gel de testosterona melhora a função sexual de homens mais velhos

É importante destacar que os pesquisadores não sugerem neste estudo que o simples fato de fazer o teste de PSA possa aumentar o risco de câncer de próstata. Podem haver outras explicações para o fato de que homens que realizam o teste de PSA regularmente tenham o maior risco para o câncer de próstata. Por exemplo, se o primeiro teste for positivo, o rastreio regular é indicado.

Neste estudo, 16 em cada 1.000 homens desenvolveram o câncer de próstata letal durante os 24 anos de acompanhamento. Segundo os pesquisadores, embora o aumento relativo no risco associado com a vasectomia fosse significativo, isso se traduz em um aumento relativamente pequeno no risco absoluto de câncer de próstata letal. “A decisão de optar pela vasectomia como método anticoncepcional é muito pessoal e o homem deveria discutir os riscos e benefícios com seu médico,” afirmou Kathryn Wilson, pesquisadora associada no Departamento de Epidemiologia da HSPH.

O estudo foi financiado pelo governo dos Estados Unidos.

Artigo original: Vasectomy linked with aggressive prostate cancer risk. Medical News Today, 10 de julho de 2014.